Estética do Desalento

 

 

 

Já que não podemos extrahir belleza da vida, busquemos ao menos extrahir belleza de não poder extrahir belleza da vida. Façamos da nossa fallencia uma victoria, uma cousa positiva e erguida, com columnas, magestade e aquiescencia espiritual.

Se a vida [não] nos deu mais do que uma cella de reclusão, façamos por ornamental’-a, ainda que mais não seja, com as sombras de nossos sonhos, desenhos e côres/mixtas/esculpindo o nosso esquecimento sob a parada exterioridade dos muros.
Como todo o sonhador, senti sempre que o meu mistér era crear. Como nunca soube fazer um esforço ou activar uma intenção, crear coincidiu-me sempre com sonhar, querer ou desejar, e fazer gestos com sonhar os gestos que desejaria poder fazer.

by

Bernardo Soares

(grafia original)

Anúncios

~ por rosana em 20/10/2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: