Adágio

Acreditas que a poesia nasce de claridades e clarividências?
Engana-te.
A poesia brota das sombras, dos sussurros, das imagens ocultas nos jardins sem flores.
Nos vãos emparedados, sob palavras que se apóiam uma às outras
Depois de exalados perfumes discretos, como as lembranças daquilo que não se viveu.

A poesia se oculta atrás de portas fechadas, ante a veneziana que aprisiona o sol em reflexos de renda.
Na chuva noturna que forma orvalhos frios nos brotos da hera,
No vento que engravida a cortina
Com polém secreto

Engana-te se procuras a poesia em dias felizes
Passageira de um comboio perdido,
Num vagão de terceira classe
Viaja para a terra não prometida.
Altiva desembarca em estações sem passageiros
senão tu.

by
Anna Montenegro

Anúncios

~ por rosana em 15/10/2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: