Amor


"Amparai-me com perfumes, confortai-me com maçãs
que estou ferida de amor..."

				Cântico dos Cânticos

Tratem-me com a massa 
de que são feitos os óleos 
p'ra que descanse, oh mães

Tragam as vossas mãos, oh mães, 
untadas de esquecimento

E deixem que elas deslizem 
pelo corpo, devagar

Dói muito, oh mães

É de mim que vem o grito.

Aspirei o cheiro da canela 
e não morri, oh mães.

Escorreu-me pelos lábios o sangue do mirangolo
e não morri, oh mães. 
De lábios gretados não morri

Encostei à casca rugosa do baobabe
a fina pele do meu peito
dessas feridas fundas não morri, oh mães.

Venham, oh mães, amparar-me nesta hora 
Morro porque estou ferida de amor. 

by 
Paula Tavares
Anúncios

~ por rosana em 28/05/2012.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: